REDUÇÃO DE EMISSÕES DE CARBONO

 

Componentes de construção estruturais típicos como alvenaria, concreto e aço têm uma grande emissão de Carbono e são materiais que usam muita energia para serem produzidos. A mudança climática tem captado a atenção global, e agora compreendemos o grande impacto que têm os edifícios na contribuição para as emissões de gases de efeito de estufa que provocam alterações climáticas. Sozinha a produção de concreto representa cerca de 5% das emissões de dióxido de carbono do mundo, o gás de efeito estufa dominante.

 

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA


Em termos de energia operacional, a madeira tem a vantagem de baixa condutividade térmica. Como resultado, construções de madeira são fáceis de isolar, oferecendo padrões elevados de eficiência. O aspecto adicional de estabilidade dimensional também garante que o edifício permaneça hermético ao longo do tempo.

 

RECURSO SUSTENTÁVEL

 

A madeira é o único material de construção estrutural com fonte totalmente renovável. Note: Falamos renovável, e não reciclável. Com programas de certificação de terceiros, tais como PEFC ou FSC, no sentido de verificar que os produtos são originários de áreas agrícolas reflorestadas, ajudamos fortemente a preservação da nossa floresta tropical nativa, seja ela Atlântica ou Amazônica.

 

Para uma construção sustentável, a madeira é a escolha óbvia. Ao contrário de outros produtos que destroem os recursos da terra, a madeira é o único material de construção principal que cresce naturalmente e é renovável. Ao especificar quaisquer materiais, é importante considerar o seu impacto ambiental em todo o seu ciclo de vida.

 

Esse conceito é abordado internacionalmente para determinar os impactos ambientais dos materiais de construção e montagens, ao longo do curso de suas vidas. Quando considerada a vida útil de um edifício - desde a extração de recursos naturais, processamento das matérias-primas, fabricação, transporte, instalação, utilização, manutenção e eliminação ou reciclagem – a madeira tem performance muito melhor do que o concreto e aço, em termos de energia gasta, poluição do ar e da água, pegada de carbono e aquecimento global potencial.

 

BENEFÍCIOS

 

Conservação da diversidade biológica; Manutenção da capacidade produtiva dos ecossistemas florestais; Manutenção da saúde e vitalidade do ecossistema; Conservação e manutenção dos solos e recursos hídricos; Manutenção da contribuição da floresta para os ciclos globais de carbono; Manutenção e aumento dos múltiplos benefícios sócio-econômicos de longo prazo para atender às comunidades produtoras; Estabelecimento de um quadro legal, institucional e econômica para a conservação da floresta e da gestão sustentável;